Cirurgia bariátrica / importância do acompanhamento com o psicólogo

imagesÉ muito frequente as pessoas obesas se enganarem, mentirem para os profissionais e para elas mesmas sobre o quanto e o que comem, também sobre fazerem ou não atividades físicas. Às vezes se alimentam depressa e às escondidas, com episódios compulsivos.

Existe uma profunda decepção consigo mesmo por não conseguir se controlar na alimentação e pelas tentativas frustradas de emagrecer, gerando sentimentos de incapacidade.

É essencial a ajuda da família e dos que convivem com a pessoa obesa. É muito importante eles participarem e estimularem os hábitos alimentares e comportamentos saudáveis.

A cirurgia pode ser vista como uma ferramenta para ajudar a controlar a obesidade, mas não como a solução para os problemas, e muito menos como a garantia de que a pessoa não voltará a engordar. Ela precisará fazer a parte dela para obter o sucesso na sua cirurgia bariátrica. Se não tiver o próprio esforço, ela poderá voltar a ganhar peso excessivo (mesmo depois da cirurgia) e colocar todo o procedimento cirúrgico por água abaixo.

Depois da cirurgia, muitas pessoas ficam mais dispostas, melhoram a autoestima, sentem o corpo “leve”, melhoram algumas complicações de saúde. Mas existem muitos riscos na cirurgia. Eu enfatizo aqui as complicações psicológicas pós-cirurgia: desenvolver outras compulsões (comprar, beber, jogar, …), voltar aos hábitos de comer excessivamente, desenvolver transtornos emocionais, conflitos pessoais e profissional.

Quem passa pela cirurgia bariátrica pode se abalar profundamente quando percebe que a solução da sua vida não estava em emagrecer, que terá que encarar todo o “resto”, aquilo que ela não “olhava”, que era “encoberto” pela obesidade. Muitos acreditam que o culpado é o peso (excesso de gordura), é por causa dele que não consegue se aceitar, atingir metas, namorar, ser feliz… e na verdade, quando emagrecem, percebem que não é bem assim. O magro também sofre e perde. Essa desilusão pode interferir na motivação e comprometimento em relação à alimentação saudável e atividade física.

A pessoa pode sabotar todo o processo comendo alimentos altamente calóricos em pequenos intervalos.

Por toda essa questão, é fundamental o acompanhamento com o psicólogo. Ele ajuda o paciente:

  • Autoconhecimento
  • Participar e se comprometer com o processo de emagrecimento
  • Técnicas de autocontrole
  • Desenvolver estratégias para lidar e enfrentar a sensação de “vazio” e insatisfação
  • Se reorganizar e se adaptar ao novo estilo de vida e à realidade
  • Motivação e manutenção da atividade física

É uma pena, mas mesmo muitos sabendo e entendendo a importância e necessidade do acompanhamento psicológico, acabam não fazendo o tratamento, não trabalhando tudo o que foi colocado nesse texto.

Leia também o post Entender o que está levando a se alimentar compulsivamente / controle alimentar:

http://curitibapsicologa.wordpress.com/2013/07/29/conhecer-e-entender-o-que-esta-levando-a-compulsao-alimentar/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *