Quem não sabe dizer “não” pode se tornar desinteressante? Riscos em calar a própria voz

São vários os prejuízos que podem acontecer com a pessoa que não consegue dizer “não”. Ela pode ter dificuldade de saber estabelecer limites com aquilo que a faz mal, a machuca emocionalmente ou fisicamente. Com isso, não saberá fazer “boas” escolhas, não se valorizando, causando problemas nos seus relacionamentos, na sua vida pessoal e profissional.

Muitas vezes é mais fácil estabelecer limites com a família porque no fundo a pessoa acredita que eles terão maior tolerância com ela, que não deixarão de amá-la, e não a rejeitarão. Mas ela imagina que os amigos ou colegas não vão tolerar suas opiniões ou oposições, desaprovarão os seus comportamentos, afastando-se dela.

Tem gente com dificuldade de dizer “não” para a família, por sentir que pode ser excluída, perdendo a importância ou carinho dos parentes. Consegue dizer “não” para aqueles que ela não têm intimidade, porque considera que não sofrerá com a “reprovação” deles.

É interessante refletir:desinteressante

  • Com quem e em quais situações tenho dificuldade de dizer “não”?
  • Por quê?
  • O que vou receber em troca se eu disser “sim”? Quais são os meus medos ao dizer “não”?

É comum acreditar que dizendo sempre “sim”, será reconhecida e amada, terá importância na vida do outro e parecerá uma pessoa “boa”. O medo de ser rejeitada ou abandonada a faz ceder cada vez mais. Assim, os problemas aumentam e trazem mais sofrimentos.

Geralmente se acha desinteressante, por isso tenta agradar a todos, concordando para ser aprovada. Mas frequentemente o comportamento de sempre dizer “sim” pode levar os outros a enxergá-la também como alguém “sem graça”. Assim, quem convive com a pessoa pode se acomodar na relação, deixando de lado o respeito, admiração e dedicação por ela. A pessoa pode começar a querer dar indiretas ou sinais, mas por ela não ser clara e não dizer quais são os seus limites, os outros poderão continuar fazendo o que ela não gosta, gerando desentendimentos, brigas e explosões emocionais.

Ela se sobrecarrega de responsabilidades e problemas que não são seus. Tornar vítima do próprio silêncio. Pode sentir que perdeu a própria identidade, pois de alguma forma acaba permitindo que os outros decidam o que ela quer, gosta, pensa ou fala. Esse comportamento pode a “matar” por dentro. Ela se abandona quando deixa de dizer “não”. Isso pode levar a sintomas de depressão, ansiedade, estresse… e assim, aumentar ainda mais a dificuldade de expressar os seus desejos e emoções.

No fim a pessoa pode perder o respeito por si mesma (e o outro normalmente faz o mesmo). Deixa os outros invadirem sua privacidade e seu bem estar. Por esses motivos, quando a pessoa não consegue estabelecer limites, é importante o acompanhamento com o psicólogo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *