“Sinto cobrado e desvalorizado” / Diferença entre críticas construtivas e destrutivas no relacionamento amoroso

Alguns casais são agressivos, desmerecendo e desqualificando a aparência ou a capacidade do parceiro. Esses comportamentos costumam destruir a relação, gerando mágoas e desentendimentos.  Nesse momento o casal precisa reconhecer e interromper os comportamentos destrutivos, buscando formas mais saudáveis de se comunicarem.comunicação critica

É importante saberem a diferença entre as críticas construtivas e as críticas destrutivas:

  • Crítica construtiva – São críticas que ajuda o outro refletir sobre os seus comportamentos, ajuda a reavaliar sua forma de “ver a vida”. O objetivo da crítica construtiva é da pessoa melhorar suas dificuldades e progredir. Mas a crítica construtiva pode ser mal interpretada e algumas vezes será entendida como um ataque. Quem recebe uma crítica construtiva precisa estar disposto e receptivo para ouvir o que estão lhe dizendo.
  • Crítica destrutiva – São críticas que ofendem, agridem ou denigrem a imagem do outro. Normalmente vem em forma de acusação. Quem escuta esse tipo de crítica, costuma se sentir desqualificado e inferiorizado. O foco da crítica destrutiva é naquilo que “machuca” (isso não significa que quem faz críticas destrutivas seja uma má pessoa).

A partir disso cada um do casal pode refletir:

  • Como está a comunicação do casal? Vocês conseguem dizer um ao outro o que desejam de forma positiva?
  • Você consegue escutar as críticas construtivas ? Ou será que tem dificuldade em escutar o seu companheiro?
  • Diz de forma adequada aquilo que te incomoda ou você é agressivo? Existe ataque em vez de conversa? Utilizam das críticas destrutivas como sendo a principal comunicação entre o casal?

É preciso saber usar bem as palavras, ter empatia (se colocar no lugar do outro) e não exigir uma perfeição ou algo que não seja compatível com os valores, com o físico ou com a personalidade do namorado (a).

É preciso analisar as críticas e a forma que elas são colocadas. E se for o caso, estabelecer alguns limites com o companheiro. Considere:

  • Ele está tentando me motivar? Outras pessoas (que me querem bem) já me falaram coisas parecidas?
  • Ele está respeitando as minhas características e a minha personalidade (os meus limites)? Essas críticas são construtivas ou destrutivas?
  • Digo que não gosto e não quero que se repita  quando ele fala críticas de forma destrutiva? Já sugeri outras formas melhores dele me dizer as coisas?

Faz parte da comunicação saudável dizer ao parceiro o que provoca insegurança, mal-estar ou machuca.

Para conseguir escutar as críticas, também é importante os elogios:

  • O seu companheiro só faz críticas, ou ele também faz elogios? Você consegue escutar os elogios dele?
  • E você, faz elogios a ele?

O amor é desafiante e pode estimular o autoconhecimento. O parceiro pode apontar situações que a pessoa não percebe, mas que seria interessante ela reconsiderar. É indicado o acompanhamento com o psicólogo quando a pessoa tem dificuldade em escutar críticas construtivas, ou quando ela não consegue estabelecer limites com o outro, dizendo “não” as críticas destrutivas.

 

Leia também o texto:

É importante “filtrar” o que escuta do outro, sabendo aproveitar aquilo que tem de bom para acrescentar a sua vida.

https://curitibapsicologa.wordpress.com/2013/01/14/e-importante-filtrar-o-que-escuta-do-outro-sabendo-aproveitar-aquilo-que-tem-de-bom-para-acrescentar-a-sua-vida/

 

6 thoughts on ““Sinto cobrado e desvalorizado” / Diferença entre críticas construtivas e destrutivas no relacionamento amoroso

  1. Dalila

    olá, gosto muito do seu blog e tenho uma dúvida.
    A minha autoestima é muito baixa e isso tem realmente atrapalhado minha vida. Gostaria de saber mais sobre o assunto. As consequências de ter baixa autoestima e o por que algumas pessoas tem isso e outra não.

    obrigada

    Reply
    1. Michelli Duje Post author

      Boa noite Dalila,

      Várias questões podem desencadear a baixa autoestima… segue alguns textos que podem te ajudar:
      http://michelliduje.com.br/2013/01/07/auto-estima-perceber-as-proprias-qualidades/?preview_id=955&preview_nonce=2f081cbbd2&_thumbnail_id=3543&preview=true

      http://michelliduje.com.br/2016/05/23/inseguranca-leva-a-pessoa-interpretar-negativamente-o-que-escuta-sempre-armada-achando-que-sera-atacada/

      http://michelliduje.com.br/2015/08/16/me-sinto-inferior-perto-de-algumas-pessoas-formas-de-se-superar/

      http://michelliduje.com.br/2013/12/02/pessoas-carentes-e-desconfiadas/

      http://michelliduje.com.br/2013/10/21/e-importante-reconhecer-as-proprias-conquistas/

      http://michelliduje.com.br/2013/04/29/sera-que-os-outros-me-excluem-ou-sou-eu-quem-me-excluo/

      http://michelliduje.com.br/2014/04/28/2026/

      http://michelliduje.com.br/2014/01/13/1819/

      Abraço!
      Psicóloga Michelli Duje

      Reply
  2. Dalia Souza

    Olá sou Cida Maria
    Vivo uma situação muito delicada no meu casamento, que já se arrasta a 30 anos, tenho baixa auto-estima, solidão, falta de amor, de carinho afinal apenas alguns momentos íntimos de vez e quando. Sou apaixonada pela vida e não aceito mais viver assim, por isso sofro muito e sou infeliz, tenho 50 anos e não tenho coragem de me separar. Será que tem solução.

    Reply
    1. Dalia Souza

      Olá sou Cida Maria
      Vivo uma situação muito delicada no meu casamento, que já se arrasta a 30 anos, tenho baixa auto-estima, solidão, falta de amor, de carinho afinal apenas alguns momentos íntimos de vez e quando. Sou apaixonada pela vida e não aceito mais viver assim, por isso sofro muito e sou infeliz, tenho 50 anos e não tenho coragem de me separar. Será que tem solução.

      Reply
      1. Michelli Duje Post author

        Boa tarde Cida,

        Talvez você tenha que entender o que te prende a esse casamento.
        Será que existe ainda coisas “boas” nessa relação? Ou será que é algum medo que te faz permanecer nessa relação?
        Será que o seu companheiro também sente falta e diz que também tem mágoas suas? Vocês já tentaram resgatar a relação juntos?

        De qualquer forma, talvez a primeira coisa que você poderia começar a “trabalhar” seja a sua autoestima. Tente perceber o que está ferido, e comece a perceber suas qualidades, a sair com amigos, a se valorizar… se o sofrimento emocional continuar, faça um tratamento continuo com o psicólogo.
        Leia esses textos, pode te ajudar:
        http://michelliduje.com.br/2015/03/25/como-manter-a-chama-do-casal-acesa-nao-se-esqueca-de-ser-interessante-para-o-seu-companheiro-a/

        http://michelliduje.com.br/2015/08/16/me-sinto-inferior-perto-de-algumas-pessoas-formas-de-se-superar/

        http://michelliduje.com.br/2014/12/03/e-obvio-como-ele-nao-entendeu-o-que-esta-claro-para-voce-pode-nao-estar-para-o-outro-2/

        http://michelliduje.com.br/2014/01/20/o-que-acontece-com-pessoa-que-guarda-magoas-do-seu-companheiro-namorado-marido-formas-de-superar-as-magoas-entre-o-casal/

        Abraço!
        Psicóloga Michelli Duje

        Reply
    2. Michelli Duje Post author

      Bom dia Cida,

      Tem solução sim!
      Talvez primeiro você precisa se fortalecer emocionalmente. Busque investir em você, faça atividades ou cursos que você se identifique. Saia com amigas (ou crie oportunidades para conhecer pessoas que possam ter afinidades em comum com você). E caso esse sofrimento continue, faça um acompanhamento com o psicólogo (se tiver dificuldade para arcar com um tratamento particular, vá em universidades que tenham o curso de psicologia, nessas faculdades oferecem o acompanhamento psicológicos por valores de acordo com sua renda e possibilidade).
      Leia esses textos, pode te ajudar:
      http://michelliduje.com.br/2013/01/07/auto-estima-perceber-as-proprias-qualidades/

      http://michelliduje.com.br/2014/05/05/relacionamentos-amorosos-destrutivos-por-que-e-como-eu-deixei-chegar-a-esse-ponto/

      http://michelliduje.com.br/2015/08/16/me-sinto-inferior-perto-de-algumas-pessoas-formas-de-se-superar/

      Abraço!
      Psicóloga Michelli Duje

      Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *