Consulta / Endereço

Consulta:

Atendimento de segunda a sexta-feira.

  • Convênios – reembolso
  • Particular

O atendimento é realizado no endereço Av. Iguaçu – Curitiba / PR. Próximo a Praça do Japão e Clube Curitibano.

Mais informações / agendamento pelo 41 996842982.

E – mail: michelliduje@gmail.com

endereço

35 thoughts on “Consulta / Endereço

  1. Maria Gonçalves

    o meu filho tem 11 anos nao consegue ter sentimento de pena por ninguem mal trata as pessoas mais chegadas ,nao gosta de ninguem para ele niguem presta e so quer fazer aquilo que ele entende, nao obedece, nao quer ser corrigido enfim .Nao se já o q hei de fazer gostaria de obter uma resposta.Obrigado

    Reply
  2. Larissa Medeiros

    É ,Oi .
    Tenho 13 Anos e queria saber o porque de eu estar sempre de mal humor ,eu perdi uma pessoa importante aos 11 anos e dizem que ainda não lido muito bem com isso . Já fui em vários psicólogos e eles parece que não me entendem ..
    Eu não sinto vontade de conversar ,comer ,ou se quer falar . Eu me sinto sozinha ,não consigo chorar vai fazer 1 ano e meio ,e eu nunca achei que diria isso ,mas Por favor ,me diga o que tenho !?

    Reply
    1. Psicologa

      Larissa,

      Deve ser muito difícil para você ter perdido essa pessoa tão importante. É preciso entender o que ela significava para você e o quanto está complicado aceitar essa perda. Talvez os seus sentimentos estejam confusos, e por isso seja difícil até você entender o que está acontecendo. Isso pode fazer com que afaste as pessoas que estão querendo te ajudar

      Algumas coisas que escreveu são de sintomas de depressão, mas é preciso passar por avaliação e fazer tratamento psicológico.

      Às vezes é importante passar por alguns profissionais até você se adaptar e se sentir confiante. Não desista, tente achar um psicólogo que você goste. Mas saiba que o tratamento com o psicólogo exige tempo, eu diria no mínimo 6 meses…a terapia pode ser um pouco dolorosa, porque ela vai mexer na ferida. Você terá que falar sobre suas dores emocionais… dê tempo para você se sentir mais a vontade com o psicólogo, e para você se fortalecer emocionalmente com o acompanhamento psicológico.

      Abraço!

      Psicóloga Michelli Duje

      Reply
  3. Josiane

    Olá tenho 36 anos e tenho passado por momentos muito difíceis de relacionamento com as pessoas .Desperto muitas vezes a falta de confiança das pessoas em mim por me mostrar inconstante e insegura . Tenho uma autocritica muito grande e acho que o que julgo em mim é o que todos julgam também. Isso tem me afastado dos meus amigos e me feito sentir muito frutada. Nem sempre fui assim; mas também não consigo entender quando, em que momento da minha vida comecei a agir desta maneira, preciso me sentir útil pra me sentir aceita, e se não acontece assim fico me sentindo arrasada e descartável . O que faço? Não quero me sentir assim. Por onde eu começo? Preciso me reencontrar. Por favor me ajude. Atenciosamente. Josiane.

    Reply
  4. sergio

    Oi , sou casado a 14 anos com mais 4 de namoro e noivado, eu era uma pessoa bem difícil, não conversava com minha esposa , não aceitava suas colocações, era nervoso mas com o tempo fui melhorando , hoje converso entendo ela e suas necessidades, principalmente de trabalhar em sua área o que acontece é que ela se fechou e não consegue mais manter o casamento conversar com migo, ela diz que tem medo de conversar e que seu amor por mim lhe paralisa , pelo que percebi ela deixou de fazer suas atividades, ou sejá não trabalha na sua área, ficou por conta das crianças , casamento , casa , e parece que está acordando para vida de novo, já mostrei de diversas formas que isso que está acontecendo não tem a ver com o casamento e sim de outros detalhes e que quero muito ajudar ela para ficarmos felizes , não entendo como uma pessoa assim pode travar com a outra depois de tanto tempo, queria poder entender

    Reply
  5. Judilson Santos Rosa

    Sou uma pessoa muito extrovertida mas as vezes tento controlar um pouco meu nervoso sou nervoso e ansioso demais quero fazer as coisas de uma vez como faco para acabar com tudo isso

    Reply
  6. Karoline

    olá, tenho 30 anos e não tenho opinião própria! Tudo o que as pessoas em quem confio dizem eu acabo fazendo. Meu namoro está por um fio. Não digo realmente o que penso para não magoar ninguém. Gosto muito de ajudar meus pais, porém eles querem ter controle sobre a minha vida e fazem o maior inferno quando tento demonstrar o que sinto. Isso esta prejudicando meu relacionamento com meus pais, meu namorado. Estou extremamente triste. O que devo fazer?

    Reply
    1. Psicologa

      Bom dia Karoline,

      Talvez buscar aquilo que vc acha que deve fazer, a resposta está com você! Reflita, entenda suas necessidades, o que quer e não quer, e tome sua decisão. O que VOCÊ acha que deve fazer?
      O tratamento continuo com o psicólogo pode te ajuda a lidar com seus medos, a ter maior autoconhecimento.

      Abraço!
      Psicóloga Michelli Duje

      Reply
  7. emilly de jesus dos santos

    oi, eu me chamo Emilly eu tenho uma irmã de 18 anos ela esta passando por algo que não quer falar para ninguém nem pra nossa própria mãe ela foi pra casa da amiga dela e dormiu lá quando voltou ja era umas 22:00 ela estava meio triste e o meu pai foi conversar com ela e ela não quis falar pra ningém oque eu posso fazer ?

    Reply
    1. Psicologa

      Boa tarde Emilly,
      Entendo a sua preocupação, mas podem ter acontecido várias coisas… tentem dar abertura para ela poder conversar com vocês. Diga que você respeita a individualidade dela, mas que estará lá quando ela quiser desabafar.
      Cuidado para não ficar pressionando ela a falar, porque isso pode fazer com que sua irmã fique ainda mais reservada.
      Às vezes pode ter acontecido um desentendimento com a amiga dela, e ela não se sente a vontade de compartilhar com a família.
      Se vocês estão muito preocupadas, seja sincera e pergunte se algo de grave aconteceu.
      Caso essa tristeza perdure, e ela tenha dificuldade para se abrir com vocês, indique um acompanhamento com o psicólogo. Com um profissional talvez seja mais fácil dela se “abrir”. O psicólogo tem ferramentas para ajudá-la a lidar com os conflitos emocionais.

      Abraço!
      Psicóloga Michelli Duje

      Reply
  8. I.A.B

    Boa tarde, namoro a quase 03 anos com um homem mais velho ele tem 35 e eu tenho 22 anos, ocorre que nesse final de semana, estava na minha cidade de origem vendo os meus pais, e ele sem me avisar foi pra boate. No dia seguinte perguntei inumeras vezes onde ele tinha ido e ele nao me contou, até que a minha amiga que estava na mesma boate me disse que ele tinha ido. Fiquei muito magoada porque eu nesses 03 anos nunca fiz nada parecido, ele sai pra todos os lugares sem avisar onde está com quem está e o que está fazendo e eu jamais posso fazer isso, rs. ele disse que esse e o jeito dele e que nao vai mudar, o que eu faco?

    Reply
    1. Psicologa

      Boa tarde Isa,

      É importante se perguntar primeiro o que você deseja? você acaba deixando as suas vontades de lado para satisfazer as dele? Você está anulando a sua autoestima? existe limites nesse relacionamento? como está a comunicação, os dois tem direito a falar e ouvir?
      Avalie o que você quer no relacionamento… tente negociar… veja o que é ou não possível, e então perceba o que vale ou não a pena…. um acompanhamento continuo com psicólogo pode te ajudar nessas reflexões

      Abraço!

      Psicóloga Michelli Duje

      Reply
  9. f47top10

    Olá! Michelle! Eu não tenho namorada, até porque eu não estou preparado para estar com alguém e ter ninguém, tive poucos relacionamentos. Porque para você estar com uma pessoa você tem que estar bem contigo mesmo emocionalmente e psicologicamente. Eu vejo que não tenho ainda esses comportamentos adequados para ter uma relação, sou muito anti-social para isso! ainda sou muito arredio nesse aspecto, não estou equilibrado para ter essa relação amorosa, eu no momento eu me dou bem estando só! e tendo alguns amigos por perto! Eu reconheço todos os meus defeitos, a minha forma de ser. Por mais que nós nunca estejamos preparados para estar numa relação com alguém amorosamente, mesmo que eu seja do jeito que eu sou de uma forma geral, há chance de encontrar alguém que possa vim me conquistar?

    Reply
    1. f47top10

      f47top10
      Olá! Michelle! me chamo Rodolfo. Eu não tenho namorada, até porque eu não estou preparado para estar com alguém e ter ninguém, tive poucos relacionamentos. Porque para você estar com uma pessoa você tem que estar bem contigo mesmo emocionalmente e psicologicamente. Eu vejo que não tenho ainda esses comportamentos adequados para ter uma relação, sou muito anti-social para isso! ainda sou muito arredio nesse aspecto, não estou equilibrado para ter essa relação amorosa, eu no momento eu me dou bem estando só! e tendo alguns amigos por perto! Eu reconheço todos os meus defeitos, a minha forma de ser. Por mais que nós nunca estejamos preparados para estar numa relação com alguém amorosamente, mesmo que eu seja do jeito que eu sou de uma forma geral, há chance de encontrar alguém que possa vim me conquistar?
      bjs

      Reply
    2. Psicologa

      Bom tarde R,

      Primeiro talvez você mesmo precise se conquistar… precise se valorizar, reconhecer aquilo que tem de bacana. É importante você se sentir bem consigo mesmo, isso vai ser importante não só para a relação amorosa, mas para toda a sua vida (tanto pessoal quanto profissional)

      Um acompanhamento continuo com psicólogo pode te ajudar

      Psicóloga Michelli Duje

      Reply
      1. f47top10

        Esse negócio de me conquistar é algo muito complexo para eu valorizar em min mesmo, ainda me sinto muito melancólico, estou no momento sem condições para fazer uma consulta com um psicólogo. Sei que eu tenho capacidade e potencial para reconhecer o que eu tenho de bom na minha pessoa, só que eu não sei lidar com isso, e reconheço que crio barreiras pelo fato de ter as minhas limitações com relação a isso, e eu quero mudar esses problemas em min, eu quero ser um pessoa diferente, quero ser uma pessoa melhor mais equilibrada, mas auto confiante comigo mesmo, não acho isso normal me manter assim a vida toda assim desse jeito, tenho uma vida para ser vivida entendes! eu sofro com isso, sinto até vontade de chorar :'( . Será que um dia eu vou mudar essa minha realidade, porque eu vejo que não depende de min para eu mudar esse meu problema, estou querendo um apoio pode ser até de você mesmo Michele. Se um dia eu pegar uma ajuda de você ou de outros psicólogos para eu mesmo me superar disso, pode ser que eu consigo me melhorar e sair dessa. Eu estou precisando de uma terapia de um psicologo(a) que me coloque na parede e me orientar de uma forma que eu possa com equilibrio e auto confiança ir me superando, dessa forma também causar uma grande transformação na minha vida e que eu possa me emocionar com isso e ser uma pessoa melhor. É isso!

        Reply
  10. Davi lucas

    Olá Michelli, me chamo David, já fui algumas vezes numa psicóloga, tinha um sério problema de auto-confiança e isso me abalava muito, tem tempos bons que penso que tudo aquilo passou mas de repente volta e não consigo me achar, os problemas e os medos são bem maiores q eu, estou namorando a uma semana mais não me sinto bem, estou inseguro e com muita baixo estima, não consigo reconhecer quem sou e num geral tudo isso me afeta, as vezes me sinto carente e solitário e as vezes um pequeno problema vira uma enorme barreira pra mim. Não consigo ser feliz e não sei oque eu quero! Oq faço? Pode me ajudar?

    Reply
    1. Psicologa

      Bom dia Davi,

      que bom que já faz um acompanhamento com o psicólogo, isso poderá te ajudar.
      Veja, podem existir várias respostas para as suas perguntas, e elas estão dentro de você…
      Em que momentos você se sente sem autoconfiança? em quais situações? desde quando? isso tem a ver como a forma que você se enxerga? consegue reconhecer as suas qualidades e aceitar que não existe pessoas perfeitas?
      Perceba como os seus pensamentos conduzem a sua vida… você tem que ser o seu melhor amigo… será que você está sendo muito duro com você mesmo? será que se cobra muito? onde isso começou?

      até mais!

      Psicóloga Michelli Duje

      Reply
  11. Artur

    Boa tarde!

    Vou me identificar como “A”. Desde minha adolescência tenho baixa auto estima, sou muito exigente comigo mesmo e com as coisas que faço. Já tentei ter relacionamentos, mas duraram pouco, porque sempre que me aproximo de uma garota e as coisas vão ficando mais sérias, começo a sentir um tremendo mal estar, aperto no peito, meu coração acelera, perco o sono, dúvidas invadem minha mente e não me deixam em paz. Tenho medo de ela não me aceitar como sou, ou medo de perceber que não gosto dela, de magoar, de fazer mal, e quando faço mal a alguém eu me torturo mentalmente a ponto de enlouquecer. Penso muito se vai ou não dar certo, se vou ferir ou ser ferido, e isso faz com que geralmente eu me afaste da pessoa, ou seja tão sincero a respeito de minhas dúvidas que acabo fazendo com que ela se afaste de mim. Já percebi que o problema não são as garotas, pois acontece isso com todas as que já me aproximei. Já fiz mais de 2 anos de terapia, mas esses sintomas sempre voltam. Já pesquisei muito, mas não sei exatamente o que tenho, se é TOC, bipolaridade, transtorno borderline, ou simplesmente ansiedade. Sei que com base nesse breve relato fica difícil chegar a um diagnóstico, mas peço que se possível me diga o que provavelmente tenho, e me dê alguma dica que me ajude a lidar com isso. Preciso de uma orientação nesse momento.

    Obrigado.

    Reply
    1. Psicologa

      Bom dia,

      Será que você se aceita como é? reconhece as suas qualidades? ou será que você é muito crítico com você mesmo, chegando ao ponto de ser injusto consigo mesmo por tantas acusações e agressões a sua pessoa? Me parece que está sendo cruel consigo mesmo… Parece que você se preocupa em tratar bem os outros, mas talvez você não se trata com respeito.
      Dica: Perceba que ninguém é perfeito, todos terão dificuldades e também todos tem as suas qualidades… essa complexidade é o que torna as pessoas tão interessantes. Então perceba em você toda essa complexidade, e tente tirar proveito disso! Busque formas para começar a se tratar com mais respeito e carinho para se sentir mais seguro.
      Indico que busque fazer acompanhamento com psicólogo, inicie um novo tratamento para trabalhar as suas inseguranças e sua autocobrança que te tortura.

      Atenciosamente,
      Psicóloga Michelli Duje

      Reply
  12. Elizabeth Cristina

    Boa noite!
    Eu tenho 22 anos e não sei conversar com as pessoas, nem manter amizades, acho muito dificil, simplesmente não sei lidar com as pessoas ao meu redor, nem com a minha família, por isso ninguém gosta de mim, desde que eu me entendo por gente sou assim, por isso não tenho amigos. Além disso eu não gosto de viver, não é que eu queria me matar, até porque não queria decepcionar ninguém, nem Deus, na verdade eu não queria ter sido obrigada a nascer, acho desnecessário. Sera que eu tenho depressão?

    Reply
    1. Psicologa

      Boa tarde Elizabeth,

      Isolamento, baixa autoestima, pensamentos em relação a morte são sintomas de depressão sim (faça um acompanhamento com o psicólogo para essa questão).
      É possível você aprender a conversar e lidar com as pessoas, isso pode ser desenvolvido e aprendido, é uma questão de prática (as pessoas não nascem com essa habilidade social, é preciso desenvolver). É com o tempo e com o treino que você aprende a se relacionar com as pessoas se sentindo mais segura… então você pode aos poucos desenvolver essa habilidade, podendo começar a frenquentar grupos de atividades que você pode se interessar (de atividade física, de artes, canto, dança, leitura, …).

      Abraço!

      Psicóloga Michelli Duje

      Reply
  13. Sirlene

    Olá, tenho 22 anos, e desde o ano passado tenho enfrentado um grande dilema na minha vida, desde muito nova sempre tive o sonho de fazer um curso superior, e assim continuar estudando, fazer mestrado, doutorado, enfim, felizmente consegui passar no curso que queria, e em março de 2015 mudei de cidade, porém essa cidade fica a 1100 km da minha, então só consigo ir pra lá nas ferias, além de longe, não tenho condições financeiras para viajar com frequência, e tenho obrigações a cumprir na minha universidade de projetos que faço parte até nos finais de semana. Consigo conviver com a saudade da minha família, porém o que me deixa bastante deprimida é estar longe da minha filha de apenas 5 anos, fui mãe muito nova, então diariamente penso se vale a pena ficar esses meses longe dela, pela idade que ela tem também, e sei que é uma fase muito importante na vida de um ser humano, apesar de conversar, com certeza penso que ela não consiga entender bem que só estou longe porque preciso estudar e penso no próprio futuro dela, mesmo que nas férias eu vá pra lá, no meio do ano fico 1 mês, e no final fico quase 3 meses, penso muito se realmente esse esforço vale a pena, passar esses meses longe, e devido á essa saudade e duvida ainda está bastante difícil me concentrar nos estudos, geralmente prefiro estudar em grupo, porque sozinha, começo a pensar nela, e fico me perguntando se tomei a decisão certa, já que não tenho condições de traze-lá pra cá, até porque sou mantida aqui pela universidade, em relação a tudo, moradia, alimentação, transporte. . . Então queria saber se você acha que preciso de algum acompanhamento psicológico, e o principal, se esse afastamento pode trazer muitas consequências pra ela, apesar de esta sendo bem cuidada e ter carinho lá.

    Reply
    1. Psicologa

      Boa tarde Sirlene,

      Que difícil isso tudo não é mesmo? A sensação emocional que você passa é “se ficar o bicho come, e se correr o bicho pega”. Parece que você ainda não aceitou a sua decisão de ter ido estudar em outra cidade. Parece que se culpa e não se autoriza estar onde está…
      Entendo a complexidade da questão… mas penso que uma mãe em casa, frustrada, também é complicado para uma criança…
      Você diz que sua filha está sendo bem cuidada, e que 4 meses no ano você se dedica a passar o seu tempo curtindo a sua filha (e também imagino que você aproveite esse tempo para dar limites, estabelecer regras com a pequena)…
      Entendo que o seu planejamento e dedicação para os estudos é tanto para você, quanto para sua filha. Você diz que está pensando no futuro dela. Então tem coisas na vida que temos que pensar “é o que tem para hoje”, “é o que dá para fazer”…
      Acho que você tem que se permitir a curtir esse momento de estudo, que é o seu sonho. E quando for ficar com sua filha, curta o momento com ela. Se for possível (se você conseguir), você também pode manter esse vínculo e contato com sua filha por telefone ou Skipe.
      E acredito que seria bom você fazer acompanhamento com psicólogo nessa fase da sua vida. Nos cursos de psicologia, as universidades costumam oferecer atendimento psicológico por valores bem acessíveis (de acordo com a renda da pessoa).

      Abraço!

      Psicóloga Michelli Duje

      Reply
  14. Rosilene

    Boa noite, já tenho 38 anos e ainda tenho muita dificuldade de identificar o que me deixa feliz, o que sei é que vivo pensando que o outro deve fazer algo por mim o tempo todo, achar algo que me agrade, quando nem eu consigo fazer isso, sou estranha, necessito de atendimento com um terapeuta… Tenho consulta marcada para terça-feira que vem.

    Reply
    1. Psicologa

      Bom dia Rosilene,

      Realmente o outro não poderá preencher e te trazer a felicidade na sua vida…. Você precisará entender o que passa dentro de você, e assim, com maior autoconhecimento, poderá ir em busca de suas necessidades (sem precisar terceirizar para os outros)…

      Que bom que você tem já uma consulta marcada para começar um tratamento psicológico 😉

      Abraço!

      Psicóloga Michelli Duje

      Reply
  15. Psicologa

    Bom dia Aline,

    Quem precisa responder essa pergunta é você. Reflita sobre o relacionamento, avalie o que você espera dessa relação, o que tem gerado os conflitos, e se vocês podem, querem e estão dispostos a melhorar e reavaliar para essas brigas cessarem.
    Tem casos e casos. Alguns conseguem superar e retomar a relação e outros precisam terminar mesmo…
    Perceba o que você ganha nessa relação, e o que você tem oferecido para ele. Será que esse dar e receber está equilibrado? Será que existe respeito entre vocês, ou será que é possível resgatar esse respeito e bom convívio entre vocês? O foco dessa relação são as coisas bacanas que vocês podem oferecer um ao outro, em como vocês podem superar as dificuldades ou o foco está sendo as mágoas e desentendimentos?

    Abraço!
    Psicóloga Micheli Duje

    Reply
  16. jocyllene

    oi tenho 28 anos sou casada a 10 anos num sei o que faço estou passando por um momento tao difícil e complicado no meu casamento. a gente briga muito,se desentende. a gente já não e como um casal faz tempo já não fazemos relação quase um ano .só sinto magoa ,dor ,desespero,raiva, ódio, angustia vontade de sumir .o que faço me ajude. estou sofrendo muito com tudo isso

    Reply
    1. Michelli Duje Post author

      Boa noite,

      Acredito que deve existir acúmulo de questões para gerarem todas essas emoções… é preciso avaliar se o casal (os dois) quer resgatar essa relação e se é possível vocês superarem todas essas mágoas…
      Talvez é preciso você se perguntar também o que está te segurando nesse relacionamento? realmente é possível resgatar? existe motivação e energia de você e do seu marido para isso? ou vocês estão mais voltados nas acusações e nos problemas e menos focados nas soluções e na aproximação?
      É preciso estabelecer limites nesse processo também… sumir não vai resolver e nem acabar com suas dores, é preciso encarar… talvez você esteja com alguns sintomas que é importante um acompanhamento com psicólogo…. acredito que no momento você também precisa investir mais em você, na sua autoestima, em atividades que vão te ajudar na sua autoconfiança…
      leia os textos:
      http://michelliduje.com.br/2013/05/20/como-acabar-com-as-brigas-no-relacionamento-amoroso/

      http://michelliduje.com.br/2016/06/30/sinto-cobrado-a-e-desvalorizado-a-diferenca-entre-criticas-construtivas-e-destrutivas-no-relacionamento-amoroso/

      http://michelliduje.com.br/2014/05/05/relacionamentos-amorosos-destrutivos-por-que-e-como-eu-deixei-chegar-a-esse-ponto/

      Abraço!

      Psicóloga Michelli Duje

      Reply
  17. Cindy Campos

    Olá, boa noite Micheli, sou Cindy tenho 19 anos e tem 5 meses que fugi da BA para o RJ por não ter ninguém que me apoiasse em casa em relação a minha sexualidade. Perdi meu pai com 4 anos, ele tinha depressão e se matou, passei muito tempo com pensamentos de fugir de casa, e de me matar, me cortei uma vez, e tive vontade de me cortar mais vezes, porém sempre tinha alguém para me impedir. Nunca tive alguém que me apoiasse em minhas escolhas, falo em relação a estilo, faculdade, amigos etc. Tudo tinha que ser como minha família queria! Até que eles descobriram sobre minha opção sexual, e simplesmente me apedrejaram. Me vi sozinha, e resolvi fugir. Hoje minha família me pede pra voltar, e sentem minha falta, e me aceitam como sou. Mas eu não me sinto bem em voltar, por mais que eu sinta a falta deles. Hoje estou com alguém que amo muito, porém não posso ficar todos dias com ela, eu a vejo como minha família aqui nesse lugar onde não conheço ninguém. As vezes ainda me sinto só, choro bastante, as vezes reconheço que é saudade, mas as vezes não consigo entender o por quê de chorar tanto. Isso sempre acontece quando estou sozinha. Aos finais de semana quando estou acompanhada da minha namorada, me sinto completa, e segura. Mas quando me vejo só, tudo volta, esse sentimento de insegurança, solidão e de choro vem quase todos os dias, até consigo controlar, mas é como se cada dia que passasse eu tivesse prendendo algo dentro de mim. Me sinto só, mas sei que não estou. O que posso fazer? Me ajude!

    Reply
    1. Michelli Duje Post author

      Boa noite Cindy,

      Imagino que todas essas questões foram e ainda são muito difíceis para você… me parece que existem questões pendentes, feridas que ainda não foram cicatrizadas…
      Você menciona o seu pai, sentimento de rejeição devido a sua orientação sexual e dificuldade para se sentir segura consigo mesma…
      Você não precisa remoer ou fugir ou “matar” da sua vida as dores emocionais. É possível olhar e acolher essas emoções, compreender e então superar…
      As pessoas erram, decepcionam e machucam… não é saudável aceitar esses comportamentos, mas quando a pessoa que você acha que vale a pena e que você ama demonstra estar arrependido e quer “acertar”, pq não deixar ela se aproximar? estabeleça os seus limites, diga o que não gosta, mantenha a distância necessária, mas não precisa precisa “sumir”… a mágoa costuma consumir aquele que tem esse sentimento. Lembre-se dos momentos bons com sua família… me parece que eles também te apoiaram nos momentos que você precisou… faz parte do papel da família orientar, ensinar e se preocupar, e talvez ela não sabia fazer da melhor forma, mas foi o que eles tentaram fazer com você… hoje você não é mais uma criança, e não precisa fazer tudo o que eles mandam. Hoje você pode filtrar o que os outros te falam, refletir o que vale ou não a pena …
      A sua namorada pode apoiar, mas não poderá “suprir” a sua família, não poderá tirar as suas dores emocionais… você passou por perdas na sua vida, e essa sensação de estar “só” pode estar associada a isso… indico fazer um acompanhamento com psicólogo para você trabalhar sua autoestima, internalizar que está viva e tem o direito de ser quem “é” e aceitar quem “é”, percebendo suas qualidades e a confiança, que é capaz de encontrar seus interesses e sua segurança dentro de si mesma…
      Abraço!

      Psicóloga Michelli Duje

      Reply
  18. Caio

    boa tarde, namorei durante 5 anos com minha primeira namorada a 1 ano terminei com ela, agora estou 1 ano namorando outra pessoa e de repente comecei a sentir saudades da minha rotina e da minha ex, isso e apenas passageiro ou seria um sentimento de amor que ainda tenho por ela?
    meu relacionamento atual está bem, queria entender o porque depois de tanto tempo sentir saudades do passado e me sentindo arrependido por ter terminado, já busquei a alguns amigos e me disseram que não valeria a pena tentar com a ex, o que fazer?

    Reply
  19. Pedro Hugo Magalhães

    Ola boa noite Cindy
    Sou Hugo Portugues tenho 41 anos , nunca namorei, sou timido, durante muitos anos nunca liguei a isso, agora sim sinto falta de outra pessoa para me completar sinto um vazio no coração, esta na altura de arranjar alguem mas na realidade nao consigo, se dou o 1ª passo ela gosta de mim como amigo ou entao nem o 1ª passo dou… por favor pode ajudar nalguma coisa? Obrigada e um beijinho

    Reply
  20. Patrícia Martins

    Boa tarde, eu e o meu namorado temos momentos fantásticos quando estamos juntos, sabemos que nos amamos muito um ao outro, mas volta e meia estamos a discutir. A nossa relação acaba por ser de extremos, momentos muito bons e momentos muito maus. A principal causa de discussão entre nós, é por causa dos amigos do meu namorado, eu sei que é importante cada um ter o seu espaço e eu também convivo com as minhas amigas. Mas o que me incomoda é o facto, de por exemplo, ele combinar sair hoje comigo, mas se um amigo telefona-lhe para sair, ele é capaz de me deixar em casa para ir com ele. No fundo eu sinto que, às vezes, ele não se preocupa se eu fico triste ou não por causa disso. Por outro lado, também passamos muito tempo juntos, mas quando o assunto envolve amigos sinto que fico para trás. Gostava de resolver esta situação da melhor forma, mas ele acha que eu o pressiono. Sou aluna do curso de Psicologia e já pensei em consultar um psicólogo. Gostaria de saber a sua opinião. Muito obrigada.

    Reply
    1. Michelli Duje Post author

      Bom dia Patrícia,

      Entendo quando você diz que se sente magoada qd o seu namorado deixa de fazer algo que combinaram para sair com o amigo. Mas talvez você possa se perguntar: Com que frequência vocês tem o momento com amigos? é toda semana, ou é uma vez por mês? Será que vocês não estão sempre combinando algo para fazerem juntos, e quando um amigo liga, como ele não costuma sair muito com os amigos dele, ele não quer perder a oportunidade e aceita logo o convite para aproveitar para passar um tempo com os amigos? (você diz que passam muito tempo juntos, talvez vocês possam reavaliar o tempo que passam juntos, percebendo se está faltando tempo para atividades que gostam individualmente, ou para estar amigos ou familiares).
      Talvez vocês possam conversar, escutando a necessidade um do outro, sem acusações (ter essa conversa quando estiverem bem, antes de uma situação e uma briga acontecer). Pergunte para ele quais são os seus comportamentos que o fazem sentir pressionado, tente escutar ele… Depois diga o que você não gosta, e tente combinar com ele situações que você não se sentirá incomodada dele desmarcar com você e situações que você ficará chateada dele desmarcar…
      E como está fazendo o curso de psicologia, é sim interessante fazer psicoterapia.
      Leia esses textos, pode te ajudar:
      http://michelliduje.com.br/2013/05/20/como-acabar-com-as-brigas-no-relacionamento-amoroso/

      http://michelliduje.com.br/2013/04/08/voce-diz-ao-seu-parceiro-as-qualidades-dele-ou-so-os-defeitos/

      http://michelliduje.com.br/2013/01/28/como-manter-o-controle/

      Abraço!

      Psicóloga Michelli Duje

      Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *